Conteúdo, Newsletter

Nossas ações como forma de re-existir

O futuro que veremos é o futuro que vamos construir, todos os dias. Hoje, mais do que nunca, todo o ódio será canalizado em amor para criar o futuro que queremos. Toda violência será canalizada em ações pelo bem. Porque mesmo uma batalha perdida fortalece uma luta. E mesmo quando tudo dá errado, há muito que deu certo.

Deu certo a certeza de que mais importante é quem luta ao nosso lado, e que esses laços se fizeram mais fortes e mais evidentes. As relações desfeitas foram compensadas em relações novas. Os modelos desacreditados foram trocados pela certeza de que há outras formas de fazer.

Nos mostramos capazes de enxergar os problemas e de nos organizar. Nos provamos hábeis na arte da conversa, da compreensão e do amor mais do que nunca. Claramente perdemos o controle das nossas vidas quando as depositamos em outras mãos. E este foi um momento em que percebemos que são as nossas mãos que, juntas, podem construir qualquer coisa.

Ficou claro que a gente vota, mas também inventa o mundo que queremos. Ele é inclusivo, responsável e sustentável, com autonomia e liberdade para que todos possam escolher seu caminho com consciência. Que possam se tornar cidadãos com poder de também criar as suas soluções.

Queremos um futuro que esse poder seja cada vez mais amplo e irrestrito e que não deixemos de ver as possibilidades que se apresentam. Em que haja decepções e dores, mas que elas sejam a faísca para ações. Porque o ativismo é isso: se faz a cada dois anos, nas eleições, e se faz dentro de nós mesmos e na nossa prática diária.

Aqui praticamos a micropolítica porque acreditamos que sempre é momento de problematizar e de criar as propostas que queremos ver. As eleições passam, mas a luta pelos valores que acreditamos e defendemos continua ainda mais forte, organizada e clara.

No Vila fazemos isso com arte, cultura, educação, consumo consciente e arquitetura. Fazemos isso com novas formas de nos relacionar, no trabalho e na vida. Fazemos isso com o respeito com que tratamos todos que frequentam as nossas salas e espaços. E seguiremos fazendo isso com ações pequenas, com as inovações sociais, com os projetos que propõem desconstruções.

Estamos de portas abertas para receber toda a energia reunida e toda a inteligência elaborada nesse período difícil, mas transformador. Que aproveitemos a oportunidade para criar e amar ainda mais.

O que rola no Vila pelo futuro que queremos ver?

  • Novas relações e práticas de convívio

Nosso trabalho diário se baseia na construção de novas relações de trabalho e de vida. Buscamos, como associação cultural e como projetos e empresas, elaborar e construir diariamente modelos que valorizem o respeito, a confiança e as competências de cada um.

  • Ressignificação da educação

Acreditamos e promovemos uma educação democrática e plural, que oportuniza a autonomia do indivíduo e desperta novos olhares e perspectivas. Com o intuito de transformar a educação para além de casa ou escola, projetos como a Aldeinha, o De Vila a Vila, a Escola Convexo, a turma do contraturno Viva a Comunidade de Aprendizagem e o IMADIN propõe a existência de uma educação alternativa, inclusiva e emancipatória.

  • Novas práticas de consumo

Um futuro sustentável precisa considerar as novas relações que estabelecemos com o que consumimos. Praticamos uma produção que respeite toda a cadeia envolvida e que venda produtos que gerem menos impacto e mais afeto à vida das pessoas. Iniciativas como Colibrii, Humanus, Resto Zero, Banco de Tecido e o Ecossistema da Moda Sustentável são exemplos de novas práticas de consumo residentes no Vila.

  • Arte e cultura

Não existe consciência sem arte e cultura. É com ela que educamos, militamos e resistimos para a construção do futuro que queremos. Respiramos arte e cultura nos eventos que realizamos e recebemos, nos estúdios de arte do Estúdio Hybrido, Studio Insonia, Surto Criativo, com o pessoal do cinema da Bumbá Produtora de Conteúdo, da fotografia com a Dani Villar, Raul Krebs e Ricardo Ara, da música, com o Armazém Sonoro, do ateliê de cerâmica da Márcia Braga e Miriam Gomes, na celebração da cultura popular, como o Samba de Roda e a capoeira, no pensar e produzir arte, com o OM-LAB, e na democratização do acesso a esse universo, com a OVNI.

–   Reapropriação da cidade

Reinventar espaços já existentes a fim de transformar vidas e locais em meio a cidade caótica, trazendo cultura e novas perspectivas. O Goma Oficina que desde 2013 vem trabalhando no projeto de ressignificação arquitetônica do patrimônio histórico Vila Flores para torná-lo acessível ao público. Ah! Arquitetura Humana que trabalha com projeto de moradia social.

– Empreendedorismo Social

A fim de impactar não apenas localmente, mas também a humanidade através de projetos, cursos/oficinas e pesquisas, organizações como o Instituto Fidedigna, Nano Biz Tools, 1%, Mulheres em construção e Apoena Socioambiental tem o objetivo de transformar vidas e construir um novo rumo para a sociedade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s